Arquivo da categoria: Caixa Econômica Federal

Auxílio emergencial de R$ 600 reais, veja como transferir para o seu banco

Não tem conta bancária na Caixa Econômica Federal? recebeu o “Auxilio Emergencial” de R$ 600,00 reais e quer transferir para o seu banco? saiba como no artigo abaixo:

Se o seu pedido para receber o auxílio emergencial de R$ 600 foi aprovado e você não possui uma conta na Caixa Econômica Federal, é possível transferir o benefício recebido pela conta digital sem sair de casa. Desta maneira, evita de correr riscos de contaminação nas longas filas feitas em torno das agências do banco federal.

O dinheiro pode ser movimentado, sem qualquer tarifa adicional, através do aplicativo de celular “Caixa Tem”. Principalmente se você teve problemas com a transferência do valor por meio do aplicativo oficial do auxílio emergencial.

É preciso que você tenha no celular os aplicativos Caixa Tem (usuários do sistema Android e sistema iOS) e Auxílio Emergencial (Android e iOS).

O aplicativo “Caixa Tem” é fácil de usar?

O app é intuitivo e feito de forma a ajudar na transferência dos valores. Basta informar o CPF e o código de acesso gerado no aplicativo do Auxílio Emergencial”, aquele que é recebido via SMS. Esse código pode ser gerado quantas vezes foram necessárias e costuma ter uma validade de duas horas.

Caso você não tenha uma conta Caixa será necessário informar:

  • CPF;
  • nome completo;
  • data de nascimento e
  • uma conta de e-mail.

Após isso, você vai criar uma senha que não pode ter dois números em sequência (como 1 e 2 ou 8 e 9, por exemplo) e nem ser a data do seu aniversário.

O sistema vai enviar um e-mail de confirmação para você, com um link de verificação. É preciso clicar nele. Após isso, volte para o aplicativo Caixa Tem e informe o seu número de celular e CEP residencial. A tela seguinte já vai te deixar a um passo de realizar a transferência dos R$ 600.

O menu inicial indica qual tipo de serviço você procura. A aba com o auxílio emergencial é a primeira das opções. Basta seguir as instruções do sistema e realizar a transferência. Nessa fase é preciso atenção, já que um dado errado pode impedir a movimentação do benefício.

Este vídeo feito pela Caixa ensina o passo-a-passo no aplicativo:

É possível que durante o dia o sistema fique lento ou fora do ar. A sugestão é acessá-lo de madrugada, quando o tráfego costuma ser menos intenso.

As agências da Caixa estão funcionando em horário estendido, abrindo às 8h e atendendo quem estiver nas filas. Se puder, fique em casa.

Os saques do auxílio também estão liberados em caixas eletrônicos da Caixa e do Banco 24 Horas, além de casas lotéricas.

CPF irregular – Descubra a situação do seu documento, o porque e quais as consequências para a pessoa física

Nesta semana a população brasileira nunca tinha dado muita atenção para a “Situação Cadastral” do seu CPF, a maioria desconhecia e nem sabia qual era a situação do seu “Cadastro de Pessoa Física“, com a pandemia do COVID-19 assolando as pessoas e gerando consequências negativas para a renda dos mais necessitados, o governo teve que criar um plano, ou melhor, um “Auxilio Emergencial” no valor de R$ 600 reais para ajudar todos aqueles desprovidos de recursos financeiros e que estiverem dentro do perfil( requisito) para receber o auxílio, mas( sempre tem um “mas”) para ter acesso a ajuda do governo, apenas os beneficiários que estão com os seus CPFs regulares.

Para descobrir a situação do seu CPF?

Acesse o site: https://www.situacao-cadastral.com/

Por que o meu CPF está “IRREGULAR”?

São vários os motivos para o CPF ou cadastro de pessoa física, estar irregular. Veja abaixo o por quê:

CPF – Tipos de Situações?

IRREGULAR: “PENDENTE DE REGULARIZAÇÃO” significa que a pessoa deixou de entregar alguma declaração de imposto renda de pessoa física (DIRPF) obrigatória pelo menos em um dos últimos 5 anos. Como regularizar? Clique aqui!

INEXISTENTE: Significa que não existe cadastro para o número consultado.

FALECIDO: “TITULAR FALECIDO” Significa que foi constatado o óbito (morte) da pessoa atribuída ao número do documento (CPF) consultado.

SUSPENSA: Significa que o cadastro está incorreto ou incompleto na Receita Federal. Como regularizar? Clique aqui!.

CANCELADA: Significa que o documento CPF foi cancelado por multiplicidade de inscrição (já existia outro cadastro para mesma pessoa) ou por decisão administrativa da Receita Federal ou por pedido judicial.

ANULADA: “NULO” Significa que foi detectado alguma fraude na inscrição e o documento de CPF foi anulado.

Consequências para a pessoa física se o CPF estiver irregular?

Como o CPF é o cadastro dos brasileiros na Receita Federal, quem está com o CPF irregular não consegue seguir a vida normal. As pessoas com o CPF irregular são impedidas de:

  1. Abrir ou movimentar contas bancárias (corrente, poupança ou digital);
  2. Pedir um empréstimo;
  3. Tirar passaporte;
  4. Participar de concursos públicos;
  5. Receber aposentadoria;
  6. Comprar ou vender imóveis;
  7. Fazer um financiamento;
  8. Receber prêmio de loteria (imagina finalmente ganhar e não poder receber?!).

Em alguns casos, a pessoa com o CPF irregular pode até ser impedida de começar um novo emprego, dependendo da política da companhia.É por esses motivos que é essencial fazer a regularização do CPF o quanto antes.

 Como regularizar? Clique aqui!

Covid-19: Devido a pandemia que assola o mundo, o governo do Brasil lança o “Auxílio emergencial” – Veja quem terá direito e como vai funcionar a ajuda de R$ 600

Auxílio Emergencial o que é?

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus – COVID 19.

O benefício no valor de R$ 600,00 será pago por três meses, para até duas pessoas da mesma família.

Para as famílias em que a mulher seja a única responsável pelas despesas da casa, o valor pago mensalmente será de R$1.200,00.

Quem estava no Cadastro Único até o dia 20/03, e que atenda as regras do Programa, receberá sem precisar se cadastrar no site da CAIXA.

Quem recebe Bolsa Família poderá receber o Auxílio Emergencial, desde que seja mais vantajoso. Neste período o Bolsa Família ficará suspenso.

As pessoas que não estavam no Cadastro Único até 20/03, mas que têm direito ao auxílio poderão se cadastrar no site auxilio.caixa.gov.br ou pelo APP CAIXA|Auxílio Emergencial.

Depois de fazer o cadastro, a pessoa pode acompanhar se vai receber o auxílio emergencial, consultando no próprio site ou APP.

Auxílio emergencial: quem terá direito e como vai funcionar a ajuda de R$ 600 para trabalhadores informais

A Caixa Econômica Federal lançou nesta terça-feira (7) o site e o aplicativo por onde informais, autônomos e MEIs podem solicitar o auxílio emergencial de R$ 600. O governo vai iniciar os pagamentos nesta quinta-feira (9).

O presidente Jair Bolsonaro sancionou no dia 1º de abril um benefício emergencial que será pago por três meses em razão da crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. A mulher que for mãe e chefe de família poderá receber R$ 1,2 mil por mês.

Na quinta (2), a lei que institui o auxílio foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Terão direito ao benefício trabalhadores informais, desempregados, MEIs e contribuintes individuais do INSS, maiores de idade e que cumpram requisitos de renda média (veja abaixo).

Como será o pagamento?

Há diferentes datas para a realização do pagamento. Confira abaixo:

Primeira parcela

  • Quem está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família e têm conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa Econômica Federal recebe a primeira parcela nesta quinta-feira (9);
  • A pessoa que está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família e não têm conta nesses bancos: recebe na terça-feira da semana que vem (14 de abril);
  • Quem não está no Cadastro Único: em 5 cinco dias úteis após inscrição no programa de auxílio emergencial;
  • A pessoa que recebe Bolsa Família: últimos 10 dias úteis de abril, seguindo o calendário regular do programa.

Segunda parcela

  • Quem está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família, além dos trabalhadores informais inscritos no programa de auxílio emergencial: entre 27 e 30 de abril;
  • Quem recebe Bolsa Família: últimos 10 dias úteis de maio, seguindo o calendário regular do programa

Terceira parcela

  • Quem está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família, além dos trabalhadores informais inscritos no programa de auxílio emergencial: entre 26 e 29 de maio;
  • Quem recebe Bolsa Família: últimos 10 dias úteis de junho, seguindo o calendário regular do programa

Pra quem se destina?

Para ter acesso ao auxílio emergencial, deverá cumprir, ao mesmo tempo, os seguintes requisitos:

  • Maior de Idade
    ser maior de 18 anos de idade
  • Não ter emprego formal
    destinado para trabalhadores autônomos com rendas informais, que não seja Agente público, inclusive temporário e nem exercendo mandato eletivo.
  • Não ser beneficiário
    não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
  • Renda familiar
    renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00);
  • Rendimentos Tributáveis
    não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70;
  • Estar desempregado ou Exercer as seguintes atividades
    exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI) ou ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) ou ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico);

Além disso, todos os beneficiários deverão:

  • A mulher que for mãe e chefe de família, e estiver dentro dos demais critérios, poderá receber R$ 1,2 mil (duas cotas) por mês.

Na renda familiar, serão considerados todos os rendimentos obtidos por todos os membros que moram na mesma residência, exceto o dinheiro do Bolsa Família.

Se, durante este período de três meses, o beneficiário do auxílio emergencial for contratado no regime CLT ou se a renda familiar ultrapassar o limite durante o período de pagamento, ele não deixará de receber o auxílio.

O texto aprovado no Congresso previa cancelamento do benefício caso a pessoa deixasse de cumprir os critérios listados acima. Porém, o Palácio do Planalto vetou esse ponto. Segundo o governo, isso iria “contrariar o interesse público” e gerar um esforço desnecessário de conferência, mês a mês, de todos os benefícios que estarão sendo pagos.

Quem não tem direito?

O auxílio não será dado a quem recebe benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família.

No caso do Bolsa Família, o beneficiário poderá optar por substituir temporariamente o programa pelo auxílio emergencial, se o último for mais vantajoso.

É preciso estar inscrito no CadÚnico?

O trabalhador que se enquadre nos critérios de renda não precisará estar inscrito no CadÚnico para receber o benefício. Quem estava inscrito, receberá o benefício na frente pela facilidade de verificar os requisitos.

Para que não está no CadÚnico, a verificação será feita por meio de autodeclaração no aplicativo ou site lançado pela Caixa nesta terça-feira. A Caixa estima que os recursos serão liberados em até cinco dias úteis após o cadastro.

Para quem não tem conta atualmente, a Caixa Econômica Federal vai abrir contas digitais gratuitas. Essas contas vão permitir que os beneficiários façam pagamentos de contas de consumo e transferências gratuitamente.

Como pedir o benefício? Já é possível se inscrever?

Para os beneficiários do Bolsa Família (que já estão inscritos no Cadastro Único), o benefício será pago de forma automática.

Os trabalhadores que não recebem o Bolsa Família, mas estão no CadÚnico também não precisarão se inscrever. O governo irá identificar quem, dentre esses, tem direito ao benefício e vai operacionalizar o pagamento por meio da Caixa Econômica Federal.

Já os informais, MEIs e contribuintes individuais do INSS que não estão nesse cadastro deverão se registrar por meio do site ou aplicativo liberado pelo Ministério da Cidadania. Os trabalhadores podem fazê-lo das seguintes formas:

Segundo o ministro Onyx Lorenzoni, apenas para as pessoas que não tenham acesso à internet, será possível também fazer o registro em agências da Caixa ou lotéricas. O cadastro presencial será uma exceção, apenas em último caso.

A Caixa também disponibilizou o telefone 111 para tirar dúvidas dos trabalhadores sobre o auxílio emergencial. Não será possível se inscrever por ali.

Trabalhadores que já estão nos cadastros do governo mas que não sabem disso e venham a tentar fazer o credenciamento por qualquer dos meios anunciados, vão ser informados de que não precisam do registro.

Limites

O projeto estabelece ainda que só duas pessoas da mesma família poderão acumular o auxílio emergencial.

Será permitido a duas pessoas de uma mesma família acumularem benefícios: o auxílio emergencial e o Bolsa Família. Se o auxílio for maior que a bolsa, a pessoa poderá fazer a opção pelo auxílio.

Quanto tempo deverá durar o auxílio?

O governo definiu que o benefício dura três meses ou até o fim da emergência do coronavírus no país. O relator do projeto aprovado na Câmara, Marcelo Aro (PP-MG), disse que a validade do auxílio poderá ser prorrogada de acordo com a necessidade.

Como usar a conta digital

A conta digital a ser aberta para os beneficiários que não têm outra conta bancária será do tipo poupança. Essa conta, gratuita, poderá ser movimentada por meio do aplicativo Caixa Tem.

Clique aqui para baixar o aplicativo Caixa Tem para celulares Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.caixa.tem&hl=pt_BR
A conta dispensa apresentação de documentos, é isenta de cobrança de tarifas de manutenção e permite ao menos uma transferência eletrônica de recursos para outro banco. A conta também vai permitir o pagamento de contas de consumo.

As parcelas do auxílio emergencial não poderão ser usadas para quitar automaticamente as dívidas dos beneficiários com os bancos. Segundo a Caixa, foi feito um acordo para que esses recursos não sejam usados para cobrir dívidas, como cheque especial, por exemplo.

Impacto na economia

A previsão do governo federal é que o auxílio deverá injetar R$ 5 bilhões por mês na economia, ou seja, cerca de R$ 15 bilhões em todo o período estimado.

O dinheiro sairá dos cofres da União, que ganhou fôlego após a aprovação do estado de calamidade pública, que permite ao governo descumprir a meta fiscal de 2020, que seria de déficit de R$ 124 bilhões, e agora poderá se endividar mais.

Juros do cheque especial 2% ao mês? Pedro Guimarães quer reduzir a taxa

Juros do cheque especial 2% ao mês? Pedro Guimarães quer reduzir a taxa

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, quer reduzir os juros do cheque especial para 2% ao mês. Em dezembro, a Caixa já havia reduzido a taxa do cheque especial de 4,99% ao mês para 4,95% para clientes que recebem seus salários na instituição. Guimarães disse que pediu que sua equipe estude o tema. Para viabilizar a redução da taxa para este patamar, ele aposta na ampliação do número de clientes e na redução da inadimplência.

“A gente passou o cheque especial de 14% para 4%, e o meu objetivo é ir para 2%, 2,9% ao mês. Conseqüentemente, nós tínhamos uma inadimplência ‘X’ quando cobrávamos 14%, temos uma inadimplência muito menor quando cobramos 4,9%, portanto, se a gente conseguir reduzir a inadimplência e aumentar a carteira, podemos continuar diminuindo o cheque especial porque o que interessa para a gente é a rentabilidade”, afirmou.

Guimarães também quer fazer uma “revolução” no financiamento habitacional no país, com a nova linha de financiamento com juros fixos, que deve ser lançada em março. Segundo ele, a Caixa, “vai tornar mais fácil o crédito imobiliário no Brasil”, fazendo com que as demais instituições financeiras siga o mesmo caminho.

Como será essa nova linha de financiamento?

O novo modelo terá prazo de financiamento de 30 anos e a taxa de juros será no mínimo de 6,5% ao ano, a mais baixa da instituição. Ele não revelou, no entanto, quais serão as taxas a serem cobradas, mas adiantou que serão competitivas.

Para se resguardar contra eventuais prejuízos, caso os indicadores econômicos piorem, a Caixa vai embutir na tarifa o custo de hedge (proteção), que será feito via compra de títulos públicos atrelados à inflação. Portanto, para que o cliente não tenha perdas ao assumir um contrato de longo prazo, com juros pré-fixados, o banco assumirá os riscos.

“Hoje, o cliente tem o risco da TR (Taxa Referencial), que pode subir em caso de alta da Selic, e da inflação, com o IPCA. Ele terá uma taxa fixa e não terá que se preocupar com inflação. No caso da Caixa, como a gente se defende? Comprando títulos que tenham correlação com a inflação. Vou fazer um financiamento (com a compra dos títulos públicos) e vou pagar nos próximos 30 anos. Isso nunca aconteceu. Essa modalidade será uma revolução.”